Home ACC 2021 - Notícias Entendendo terapias promissoras para IC

Entendendo terapias promissoras para IC

- Publicidade -

Seminário apresentado pelo Dr. Clyde Yancy durante o ACC 2021 discutiu as perspectivas terapêuticas para insuficiência cardíaca 

Revisado por MDHealth

O seminário “Evolving understanding of HFrEF vs HFiEF vs HFpEF Phenotypes Therapeutic Role of SGLT2 Inhibitors & ARNIs in the 3 entities”, apresentado pelo Dr. Clyde Yancy, discutiu as duas terapias mais promissoras no tratamento de insuficiência cardíaca (IC) a depender do nível de fração de ejeção: a terapia com sacubitril/valsartana ou a terapia com um inibidor de SGLT2. As três entidades de insuficiência cardíaca foram definidas, segundo um consenso entre as sociedades internacionais de cardiologia, em IC com fração de ejeção reduzida (menor ou igual a 40%), IC com fração de ejeção preservada (maior ou igual a 50%) ou IC com fração de ejeção intermediária (entre 41% e 49%).  

IC com Fração de Ejeção reduzida (ICFEr) 

Em pacientes com ICFEr sintomáticos apesar do tratamento com IECA, betabloqueador e antagonista mineralocorticoide, o inibidor de neprilisina é indicação terapêutica classe I nível A de evidência em substituição ao IECA para reduzir risco de hospitalização e morte. 

Além disso, o uso de Inibidores de Sglt2 reduz risco de eventos relacionados à IC em pacientes com diabetes mellitus do tipo 2 acometidos por ICFEr. Estudo DAPA-HF indica diminuição significativa de hospitalização por IC, morte por causas cardiovasculares e mortes por qualquer causa com o uso de dapaglifozina em pacientes com IC acometidos ou não por diabetes mellitus tipo 2. Além disso, não haveria necessidade de titulação do medicamento visto que doses únicas diárias apresentam benefício clínico. O autor chama atenção para necessidade de elucidação do mecanismo de ação relacionado a esse efeito. 

Outro medicamento da classe de inibidores da SGLT2 também apresenta resultados convincentes em estudo publicado no The New England Journal of Medicine. Empagliflozina se apresenta como possível tratamento de IC com FE reduzida sintomática. Houve redução do decaimento da função renal com diminuição do decaimento de TFG em comparação ao placebo. 

 

 

IC com Fração de Ejeção preservada (ICFEp): 

Apesar de estudos indicarem efeito neutro com o uso de sacubitril/valsartana, na análise subgrupo, a variável sexo feminino foi significativamente relacionada com efeito do tratamento. Além disso, a variável FE menor ou igual a 57% também indicou maior efeito.  

Quanto à utilização de inibidores de SGLT2, não há ainda um estudo clínico robusto nesse grupo de pacientes, mas testes em modelos animais indicam dados interessantes com melhora da função cardíaca e diminuição da deterioração do quadro clínico. 

IC com Fração de Ejeção intermediária (ICFEi):  

Na análise de subgrupo em estudo com pacientes em uso de Sacubitril/valsartana, houve potencial efeito do tratamento especificamente no intervalo de FE de 0,45 a 0,57.  Nesse sentido, o autor chama atenção para duas hipóteses interessantes: ou devemos mudar o limite para definição de FE reduzida ou há alguma variável não conhecida para o efeito do tratamento nesse intervalo em específico. Essa variável seria provavelmente relacionada ao sexo feminino, visto que na análise de subgrupo, esse efeito é mais pronunciado em mulheres do que em homens. 

Conclusão 

Como conclusão, há indicação classe I nível A para utilização de sacubitril em pacientes com IC com FE reduzida, não há dados convincentes para seu uso em IC com FE preservada e há dados intrigantes em seu uso na IC com FE intermediária, apesar de ainda não ser indicado nesse subgrupo de pacientes. Quanto aos inibidores de SGLT2, não há diretrizes atuais indicando seu uso em insuficiência cardíaca. No entanto, múltiplos estudos clínicos randomizados recentes indicam efeito positivo com seu uso em pacientes com IC com FE reduzida e há uma expectativa para as diretrizes em IC de 2021. Além disso, há dados encorajadores com seu uso em modelos animais e há a expectativa dos resultados no estudo EMPEROR PRESERVED. 

Referências: 

– Evolving understanding of HFrEF vs HFiEF vs HFpEF Phenotypes Therapeutic Role of SGLT2 Inhibitors & ARNIs in the 3 entities, presented by doctor Clyde Yancy at the American College of Cardiology Virtual Annual Scientific Session (ACC 2021), May 15, 2021. 

Aviso Legal: Todo conteúdo deste portal foi desenvolvido e será constantemente atualizado pela Oncologia Brasil, de forma independente e autônoma, sem qualquer interferência das empresas patrocinadoras e sem que haja qualquer obrigação de seus profissionais em relação à recomendação ou prescrição de produtos de uma das empresas. As informações disponibilizadas neste portal não substituem o relacionamento do(a) internauta com o(a) médico(a). Consulte sempre seu médico(a).

- Publicidade -
Hugo Farah
Acadêmico de Medicina da UFRJ
- Publicidade -

Mais Lidas

- Publicidade -

Notícias Relacionadas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site usa cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.