Home Notícias e Tendências Neurologia Efeitos neuropsicológicos em pacientes após infecção por COVID-19

Efeitos neuropsicológicos em pacientes após infecção por COVID-19

- Publicidade -

Apresentado na seção de pôsteres do XXV World Congress of Neurology (WCN 2021), o trabalho “Fatigue and “Brain Fog” in the Aftermath of Mild COVID-19: a Neuropsychological and TMS Study” descreve as disfunções neurológicas consequentes da infecção do SARS-Cov-2 em pacientes com fadiga e confusão mental

A partir dos sintomas de fadiga e confusão mental (brain fog) em pacientes que tiveram leve quadro sintomático de COVID-19, os pesquisadores realizaram uma série de exames e testes nestes indivíduos (67 pessoas), comparando os resultados com pacientes saudáveis como controle (22 pessoas), sem a prévia infecção pelo SARS-Cov-2. Foram avaliadas no estudo 3 áreas principais: comportamentais; neuropsicológicos; e neurofisiológicos. 

Os exames comportamentais mediram a sensação de fadiga, e o quanto o paciente sente que se esforçou para realizar uma tarefa, medindo seu cansaço e confusão mental por meio de testes como a escala de Borg, e a escala da severidade da fadiga.  

Os testes neuropsicológicos mediram a cognição global e as funções executivas, por meio de testes como o Montreal Cognitive Assessment e o Frontal Assessment Battery, a sustentação e a execução da atenção, com testes computadorizados de tempo de reação. 

Os exames neurofisiológicos utilizaram a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) (Transcranial Magnetic Stimulation – TMS) do córtex motor primário, para avaliar fatores como o limiar motor em repouso, potencial evocado motor e período de silêncio cortical. A atividade intracortical foi avaliada por meio da EMT com protocolos que utilizam a inibição intracortical mediada por GABA-A e GABA-B, e a sensibilidade e motricidade periférica com estudo da condução do nervo ulnar. 

Em todos estes exames foi notada diferença entre os grupos de estudo, com resultados negativos no grupo dos pacientes pós-COVID em comparação ao grupo controle. Nestes pacientes com sintomas de fadiga e brain fog, foram apresentados déficits na execução de funções e na atenção. Do mesmo modo, os resultados dos exames utilizando a EMT indicaram redução da excitabilidade corticomotora e diminuição dos circuitos GABAérgicos intracorticais. 

Referência:  

Orteili P. et al; Fatigue and “Brain Fog” in the Aftermath of Mild COVID-19: a Neuropsychological and TMS Study; WCN2021 

 

 

- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Lidas

- Publicidade -

Notícias Relacionadas

Este site usa cookies e solicita seus dados pessoais para melhorar sua experiência de navegação.